Pular para o conteúdo

Quem disse foi: Dr. Wayne Dyer

\"Não há falta de oportunidades para se ganhar a vida com aquilo que você ama; há apenas uma falta de determinação para fazer com que isso aconteça.\"

7 razões [imperdíveis] para se conhecer Siena

17/09/2013

Guia da Itália

Siena-by-Jean-Ponchiroli_2
Se o seu roteiro de viagem contemplar a Toscana como destino, conhecer Siena é quase que uma obrigação! Não acredita?! Então eu vou lhes presentear com 7 razões para que confiem nas minhas dicas e conheçam essa fantástica cidade.
Distante uns 70 km de Florença, Siena é uma cidade de colina com quase 60 mil habitantes e distribuída irregularmente ao redor da Piazza del Campo, considerada uma das maiores e mais preservadas praças medievais da Europa.
 Siena-by-Jean-Ponchiroli_4
A Piazza del Campo é o centro nervoso de Siena e por ali o movimento é constante. A praça tem o formato de um leque e é lotada de turistas que se espalham sentados pelo chão ou ocupam as dezenas de bares e restaurantes super charmosos.
Siena-by-Jean-Ponchiroli_8
Nesta praça estão localizados o Palazzo Pubblico, que é a prefeitura da cidade, construída em 1342 em estilo gótico e que possui uma torre com mais de…

Ver o post original 561 mais palavras

Veneza, o tempo e as texturas

09/06/2013

Guia da Itália

Olá viajantes!

Hoje quero publicar um projeto fotográfico intitulado, “Veneza, o tempo e as texturas”, cujas fotos fiz na minha última viagem a Veneza, em 2011. A ideia principal deste trabalho, é mostrar a ação do tempo sobre a cidade, focando a visão nos detalhes, cuja atenção muitas vezes, passa despercebida pelos olhos dos turistas.

Prometo fazer um post sobre Veneza em breve, ai sim, trazendo muitas informações turísticas e dicas preciosas para se aproveitar ao máximo sua estadia por lá!

Por enquanto, espero que gostem deste meu trabalho e não esqueçam de compartilhá-lo nas suas redes sociais.

P.s. O vídeo tem som!

Arrivederci!

Ver o post original

12/12/2012

Guia da Itália

Gênova (Genoa) com seus quase 610.000 habitantes é a capital da província que leva o seu nome e também capital da região da Ligúria. Sexta cidade italiana em população, terceira no norte da Itália, compõe juntamente com Milão e Turim, o chamado triângulo industrial.

Genova-by-Jean-Ponchiroli

Banhada pelo mar Lígure e protegida por suas montanhas, Gênova tem toda sua história baseada na atividade naval / portuária e sobretudo comercial, tanto que era chamada de a “Porta da Europa”. Dividida entre centro antigo com suas ruas estreitas, na parte mais alta e a área portuária antiga e de marinas, ao nível do mar, Genova possui alguns dos mais belos palácios de toda a Europa. O complexo de edifícios chamado “Palazzi dei Rolli”, no centro antigo, por exemplo, foi tombado em 2006 pela UNESCO como patrimônio da humanidade.

Genova-by-Jean-Ponchiroli-5

Os símbolos turísticos de Gênova são a “Lanterna”, uma espécie…

Ver o post original 383 mais palavras

O Vale dos Templos de Agrigento

02/12/2012

Guia da Itália

Se o destino das suas próximas férias for a Sicília, anote na sua agenda este roteiro! O Vale dos Templos (Valle dei Templi), localizado ao sul da cidade de Agrigento, é uma área arqueológica da Sicília caracterizada pelo excepcional estado de conservação e também pela existência de uma série de templos dóricos provenientes do período Helênico. E olha que curioso, Agrigento ergueu-se onde antigamente existia a cidade grega de Akragas, cujo início data de 580 a.C.

O Vale dos Templos abriga além dos restos de nove dos dez templos que existiam no local, três santuários, uma grande concentração de necrópoles ou catacumbas, obras hidráulicas romanas, parte de um bairro helênico e romano construídos sobre antiga planta grega, dois importantes locais de reuniões públicas da época, o Agorá inferior, próximo aos restos do templo de Zeus e o Agorá superior próximo ao complexo do museu.

Chegando lá, percorre-se uma…

Ver o post original 244 mais palavras

VINITALY 2013, a mais importante feira de vinhos da Itália

02/12/2012

Guia da Itália

A Vinitaly é a feira internacional do vinho e dos destilados que acontece em Verona – Itália, desde 1967 com periodicidade anual. A feira que está na sua 47° edição, se estende por mais de 95.000 m², conta com mais de 4.000 expositores ao ano e registra anualmente cerca de 150.000 visitantes. Il Salone, como dizem os italianos, reúne produtores, fornecedores, importadores, distribuidores, além de técnicos da área e jornalistas especializados em vinhos.

A cada ano, a feira abriga mais de cinquenta degustações temáticas de vinhos italianos e estrangeiros e oferece um programa de conferências que abordam as principais questões relacionadas com a oferta e a demanda no mercado do vinho. Todas as análises são realizadas pelo Osservatori di Vinitaly Studi&Ricerche. Além da área de exposição dedicada a produtores de vinho, a feira é composta por Workshops e oficinas, clubes de compradores e áreas especiais de exibição para promover o Made…

Ver o post original 191 mais palavras

02/12/2012

Guia da Itália

Essa é uma excelente dica de passeio para quem vai ficar uns dias a mais em Milão. Que tal visitar um mosteiro cujo início da construção data de 1396 e é considerado exemplo de magnífica beleza? Este mosteiro chama-se “Certosa di Pavia”, ou “Certosa di Pavia Gra-Car (Gratiarum Carthusia)” e está localizado na cidade que leva o mesmo nome.

Na sua origem, a posição do mosteiro coincidia com a margem norte do “Parco Visconteo” do “Castello di Pavia”, onde hoje restam apenas alguns resquícios da construção. A posição era estratégica e como dizem os italianos, “a metà strada” entre Milão, na época capital do ducado e Pavia, também na época a segunda cidade mais importante onde o duque cresceu e onde era sede da corte, no então “Castello Visconteo”.

A construção de “Certosa di Pavia” foi obra…

Ver o post original 498 mais palavras

GUIA DA ITÁLIA

20/11/2012

Imagem

Olá pessoal!

Quero convidá-los para acompanhar o mais novo projeto que acabo de lançar, o “Guia da Itália“. Semanalmente, estarei compartilhando vários assuntos relacionados à Itália, com bastante fotografias, dicas de viagem, gastronomia e muito mais. O Guia da Itália está mais moderno, super navegável e com bastante campos para explorar. COMPARTILHEM!!! Para acessá-lo, basta clicar no link acima, ou clicar na figura. Espero vocês por lá!

Curiosidades: Exposição mostra corpos de vítimas de erupção em Pompéia

02/10/2010

Encontrei essa notícia e achei no mínimo curiosa e interessante. Uma exposição mostra os corpos de algumas das vítimas da erupção do vulcão Vesúvio sobre a cidade italiana de Pompéia, no dia 24 de agosto de 79 DC.

Arqueólogos descobriram os corpos e usaram o gesso para preservá-los, dando aos esqueletos a forma que tinham no momento da morte.

Os detalhes são impressionantes. Em uma cabeça, é possível ver a dobra do lenço usado para proteger o rosto das cinzas.

Os arqueólogos já escavaram e conservaram cerca de cem corpos de pessoas e animais, mas acreditam uma porção equivalente a um terço da cidade ainda não foi escavada.

Incrível, não?!

Fonte | BBC Brasil

Atrações de Milão: O Duomo

25/03/2010

Muito embora Milão seja considerada uma metrópole que não possui là grandes atrativos turísticos, o que discordo, algumas atrações são no mínimo imperdíveis. O Duomo por exemplo, um colossal templo religioso em mármore de candoglia erguido em homenagem à “Santa Maria Nascente”, exerce sobre mim um fascínio quase que irresistível, tanto que uma das primeiras coisas que fiz ao retornar do Brasil para a Itália, foi visita-lo, impreterivelmente.

Foto histórica do Duomo, ano 1870

O Duomo, quarta maior catedral da europa, é ponto de encontro de milhares de pessoas que por ali transitam. Esta estratégicamente localizado no coração pulsante de Milão e ostenta uma arquitetura gótica de influência francesa que tira o fôlego de qualquer ser mortal e imortal inclusive. Impossível não se render ao seu encanto, inevitável passar por ele e não segurar os passos no intuito de apreciar a sua fachada composta por milhares de estátuas e desenhos em mármore que nos remetem à reflexão. Sempre que isso acontece, encontro um detalhe novo, uma figura inusitada, uma mensagem criptografada dos mestres escultores de séculos que se passaram e que não voltam mais. Ah! No ponto mais alto do Duomo, encontra-se a Madonnina, uma estátua da Madonna de Milão, com seus 4 metros de altura (já ouvi dizer, inclusive,  que esta estátua é de ouro).

Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Sobre os restos da demolição da antiga catedral de Santa Maria Maggiore, no ano de 1386, sob a supervisão de arquitetos franceses e alemães, iniciaram-se as obras do Duomo que durariam, pasmem,  quase 500 anos, sendo dado por concluído no ano de 1813. Praticamente a idade do Brasil. Na época, os artífices da construção criaram uma espécie de “placa fundamental” com a inscrição do ano do início das obras. Descobri que esta placa esta localizada no interior do templo, à direita de quem entra, bem escondidinha, cercada por alambrados, os quais pulei para fazer uma fotografia bem de perto. Graças a este feito, fui repreendido pelas autoridades de vigilância interna, pois segundo eles adentrei (pulei) num espaço reservado e proibido aos visitantes. Com aquela cara de cachorro perdido que cai do caminhão de mudanças, pedi desculpas e implorei misericórdia, aproveitando o ambiente sacro, e sai todo faceiro com a minha foto relíquia.

Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Quanto paga-se para entrar? Niente, a entrada é gratuita, após vistoria da policia é claro.Por dentro o Duomo é fascinante e dos rumores externos da agitada Milão, não ouve-se absolutamente quase nada, a nao ser os murmurinhos dos visitantes, que de boca aberta disparam fotografias (sem flash!) por todos os cantos. Ladeada por vitrais surrealistas que filtram a luz do sol e fazem fosforescer imagens e alegorias da tradição católica, o ambiente é de paz, serenidade e harmonia absoluta. As 52 colunas do templo com diâmetros de 3,70 metros, erguem-se a 24 metros de altura e são distribuídas geometricamente numa área total de 11.700 metros quadrados. Estão pensando que é uma igrejinha qualquer? Definitivamente muito pelo contrario, é a catedral mais linda que já conheci. Chego ao sacrilégio de pensar que é até mais bonita que a Catedral de São Pedro, no Vaticano (sinal da cruz).

Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Recentemente o Duomo sofreu um restauro que durou nada mais, nada menos que 6 anos e custou para os cofres públicos cerca de vinte milhões de euros, ou quase 60 milhões de reais, acreditem! A título de informação, foram restaurados 3.500 metros quadrados de fachada, nos quais foram utilizados 275 metros cúbicos de mármore de candoglia e foram trocados aproximadamente 2.500 elementos decorativos. Quando eu cheguei na Itália, ainda existiam os tapumes na fachada principal o que prejudicava as fotografias, hoje como podem ver, a fachada esta limpíssima e como sempre exuberante, olhem a imagem abaixo.

Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Para finalizar, sabem o que mais me espanta? Saber que existem pessoas (brasileiros) que moram em Milão há mais de 10 anos e que nunca se atreveram a entrar no Duomo, nem mesmo movidos pela curiosidade. Certa vez, interpelados, me responderam, “Ah Jean, entrar pra que? Igreja é igreja, são todas iguais”. Quase caindo da cadeira, meus pensamentos se perderam no cùmulo do absurdo e na ocasião, chegaram-me a doer os ouvidos. Mas enfim, cada um é cada um, o que é bonito para uns, para os outros não sensibilizam as retinas. Seres humanos, falíveis!

Curtam as fotografias que carinhosamente fiz para este “post”, na esperança que, independentemente do seu credo religioso, o que infelizmente, mais desune que une, vocês possam se nutrir visualmente de cultura e conhecimento. Quem tiver um interesse a mais, pode visitar o site oficial do Duomo de Milão, clicando aqui.

Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Detalhe em bronze da porta principal, atençao à marca do bombardeamento da 2° guerra mundial by Jean Ponchiroli

Detalhe em bronze da porta principal by Jean Ponchiroli

Detalhe em bronze da porta principal by Jean Ponchiroli

Imagens internas do Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Imagens internas do Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Imagens internas do Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Imagens internas do Duomo de Milão (altar) by Jean Ponchiroli

Imagens internas do Duomo de Milão by Jean Ponchiroli

Imagens internas do Duomo de Milão (candelabro do sec XV) by Jean Ponchiroli

Imagens internas do Duomo de Milão (piso decorado) by Jean Ponchiroli

Ah! Quase esqueci de dizer. Gente, é proìbido pular alambrados em busca de fotos inusitadas, atitude típica(zinha) de brasileiro(zinho). Que que é isso minha gente, olha os modos e a educaçao! Càspita! (Sinal da Cruz e Gargalhadas)

PAX ET BONUM!

Ci Vediamo!

Pasta alla Norma

19/03/2010

Ciao a tutti! Hoje ensinarei a preparar uma das pastas que mais gosto e que experimentei pela primeira vez, là no sul da Itália, quando fiz um giro pela Sicília. Este prato chama-se “Pasta alla Norma” e requer para a sua preparação, ingredientes baratìssimos e que se encontram em qualquer esquina desse mundo de meu Deus.

A pasta alla Norma é um “primo piatto” de origem Siciliana. Como especialidade da Catania, foi criada como homenagem à mais bela ópera do célebre compositor catanense Vincenzo Bellini: La Norma, a qual ainda não tive a oportunidade de assistir. Este delicioso prato de pasta, recoberto com fatias de berinjelas fritas e guarnecido com tomates, manjericão e ricota reúne de uma sò vez, os vários aromas e perfumes da ensolarada Sicília.

Vamos aos ingredientes?

Esta receita serve quatro pessoas, tem um tempo de preparo de 35 minutos e é muito fácil de fazer.

  • 2 dentes de Alho
  • 12 folhas de manjericão
  • 2 berinjelas médias
  • 1/2 kilo de tomates bem maduros, ou se preferir um vidro de molho de tomate da sua preferência
  • 4 colheres de azeite de oliva
  • pimenta do reino a gosto
  • 200 gr de ricota (salgada)
  • sal grosso
  • 500 gr de spaghetti ou outra pasta de preferência

Hora da preparação

Lave as berinjelas (1) e corte-as em fatias finas de aproximadamente 4 mm (2), corte também algumas fatias finas no sentido do comprimento para que sirvam depois de enfeite do prato. Uma vez cortadas as berinjelas, coloque-as num escorredor e salpique um punhado de sal grosso, de modo que o sal extraia a água e o amargo das mesmas (3). Seria interessante colocar um prato com um peso por cima de forma a “extrair” melhor o sumo (4).

Para a preparação do molho, pique e doure os dentes de alho com o azeite de oliva (5), adicione os tomates maduros, ou o molho de tomates, já pronto(6).

Cozinhar em fogo médio até que os tomates se desmanchem (7), passá-los por uma peneira grossa ou no liquidificador (8), voltar este molho na panela a fim de engrossá-lo. Nesta hora colocaremos 6 folhas de manjericão fresco (9).

Passamos as berinjelas na água corrente de forma a retirar o sal (10), secamo-las (11) e fritamos as fatias em azeite quente até que fiquem douradas (12).

Reservamos as berinjelas num prato com papel toalha, colocamos a massa para cozinhar, segundo a indicação da embalagem, e ralamos a ricota, reserve.

Uma vez fritas e secas, fatiamos as berinjelas em tirinhas, juntamos numa panela com um pouco de molho e acrescentamos a pasta cozida “al dente”. Mexemos de forma a incorporar todos os ingredientes, acrescentamos o restante do molho e o manjericão. Desligamos o fogo, acrescentamos a ricota ralada, mexemos mais um pouco e Voilà. Agora è so montar o prato com a pasta pronta, enfeitar com fatias de berinjelas (aquelas cortadas no comprimento) e uma folhinha de manjericão.

Algumas sugestões, eu prefiro fazer esse prato com o “penne rigate”, pois o molho entra na massa e fica muito mais apetitoso. Gosto também de acrescentar “peperoncino” a mesma pimenta calabresa que temos ai no Brasil. Fica fantástico, para quem gosta de pimenta, é claro.

Como puderam ver, esse prato é de fàcil execuçao, é muito saboroso e rende muitos “hummmmmmmmmmm’s” dos seus convidados, o que não tem preço para nós Chef’s, concordam?

Espero que tenham gostado da receita, fica a dica para o almoço do domingo! Mãos à obra!

Ci vediamo!

Fonte: Giallo Zafferano

Ilustres… desconhecidos

17/03/2010

Foi na belíssima Tropea, cidade praiana da Calábria, ao sul da Itália, que tive o prazer de encontrar este animado comerciante da cidade. No seu armazém, vendiam-se secos e molhados, vinhos, queijos e salames dos mais diversos tipos. Pendurados na parede de fora, os maços de peperoncino, que secavam naturalmente ao sabor dos raios do sol, inundavam a rua de um aroma balanceado entre o doce e o picante. Percebi que neste armazém, as ùnicas coisas que não tinham preço, eram a alegria, a felicidade e a simpatia deste italiano calabrese, para mim, um ilustre desconhecido, que acompanhava o vai e vem de pessoas, comodamente sentado na sua cadeira de assento de palha.

Ci vediamo!

Ciao!

Cidades da Itália: BRESCIA

16/03/2010

Ciao caros amigos! Hoje falaremos sobre a visita que fiz à Brescia, uma linda cidade italiana com rica herança arquitetônica. Brescia está localizada  na Lombardia, norte do país e é considerada a segunda mais importante cidade desta província (depois de Milao), e atrás de Milao, Roma, Nápoles e Torino é a quinta maior cidade da Itália levando-se em consideração o aglomerado urbano total que se desenvolve aos arredores do seu território, vamos aos números?

  • População: 190.000 habitantes aproximadamente
  • Região: Lombardia (Norte)
  • Distancia de Milao: 97 km
  • Tempo de viagem de trem: 1 hora e 15 minutos
  • Custo da viajem: € 5,50 , partindo de Milao

Brescia, entrada da cidade by Jean Ponchiroli

Brescia é uma cidade encantadora, sejam pelas belezas naturais, sejam pelas riquíssimas heranças arquitetônicas, que vão dos templos romanos à bela piazza della loggia, onde acontece a maior feira da cidade. Os resquícios da antiga muralha medieval, podem ser vislumbrados em vários pontos da cidade, e esta antiga defesa teve sua construção iniciada há 400 anos antes de Cristo. Entederam o que escrevi? Isso mesmo, 400 anos antes de Cristo, 1900 anos antes do Brasil ser descoberto! Pra ver!

Brescia, entrada da cidade by Jean Ponchiroli

Brescia, assim como outras tantas cidades italianas, atrai milhares de turistas ao ano, sendo as suas atrações mais relevantes o Duomo Vechio (velho) e Duomo Nuovo, o Castello di Brescia e os restos “mortais” do Foro Romano, onde se destacam o Tempio (templo) Capitolino e o Teatro Romano, ambos construídos cerca de 75 d.C. O Tempio Capitolino é dividido em três partes, numa das quais abriga o Museo di Santa Giulia que no dia estava fechado, infelizmente.

Duomo Vechio by Jean Ponchiroli

Ah! No centro histórico da cidade encontra-se também o Castello di Brescia, imponentemente localizado no topo da colina chamada Cidneo. O início deste Castello remonta cerca de 100 anos a.C. e a visita é obrigatória, pois o lugar “transpira” história, além da vista panorâmica da cidade que é simplesmente fantástica. Foi deste mirante que fiz a fotografia do casal de italianos apreciando a vista, assunto do “Cartao Postal Tempo Libero” (clique) de semanas atrás.

Duomo Nuovo ao fundo, Duomo Vechio em primeiro plano by Jean Ponchiroli

Brescia me encantou por ser uma cidade organizada, limpa e muito bem sinalizada. E o que mais me satisfaz na série “Cidades da Itália” é o prazer de fazer ou relembrar viagens com milênios de historia, cidades com suas tradições diversas, aromas peculiares e gente dos mais variados tipos. Não preciso dizer (já dizendo) que foi inesquecível, preciso?

Vamos às fotografias, preparados?

Detalhes perfeitos by Jean Ponchiroli

Duomo Vechio e Duomo Nuovo by Jean Ponchiroli

Detalhe da fontana, ao fundo os Duomos by Jean Ponchiroli

Relogio da Piazza della Loggia by Jean Ponchiroli

Poste de Iluminaçao by Jean Ponchiroli

Templo Capitolino by Jean Ponchiroli

Templo Capitolino by Jean Ponchiroli

Colunas do Templo Capitolino by Jean Ponchiroli

Pedras do Templo by Jean Ponchiroli

Ruinas do Foro Romano de Brescia by Jean Ponchiroli

Viela qualquer by Jean Ponchiroli

Viela qualquer 2 by Jean Ponchiroli

Castelo de Brescia by Jean Ponchiroli

P&B by Jean Ponchiroli

Pátio interno do Castelo de Brescia by Jean Ponchiroli

Casal em passeio monocromático by Jean Ponchiroli

Castelo de Brescia em outro ângulo by Jean Ponchiroli

Panorâmica de Brescia by Jean Ponchiroli

Panorâmica de Brescia 2 by Jean Ponchiroli

Sinal de Primavera by Jean Ponchiroli

Locomotiva e o tempo by Jean Ponchiroli

Passeio no Castelo de Brescia by Jean Ponchiroli

Piazza della Loggia by Jean Ponchiroli

Curiosidade by Jean Ponchiroli

Consegui transmitir com minhas fotos, a emoção de percorrer Brescia? Me deixem seus comentários!

Ci vediamo!

Ciao!

Risotto alla Milanese

12/03/2010

Escolhi o nome Zafferano para esta coluna, por dois simples motivos, primeiro que quando ouvi esse nome, foi amor à primeira vista, e segundo, que é o principal tempero de um dos pratos mais famosos da culinária italiana, o Risotto alla Milanese ou o Risotto à Milanes, sobre o qual falaremos mais abaixo.

Zafferano, que em português significa Açafrão, é extraído dos estigmas das flores de uma planta de origem oriental – de uma variedade de Crocus Sativus – e utilizado desde a antiguidade como especiaria, principalmente na culinária mediterrânea, onde é normalmente utilizado na preparação de risottos, caldos e massas, além de oferecer um toque especial a outras tantas receitas.

Como forma de inaugurar este espaço culinário, que irà ao ar todas as sextas-feiras, vamos aprender algo sobre o famoso Risotto alla Milanese, um prato tipicamente italiano e que diz a lenda, por ter sido criado em Milao, herdou o nome da cidade. Segundo esta mesma lenda, na època da construção do Duomo de Milao, por  volta de 1380, existia um aprendiz de pintor, que curiosamente tinha a mania de acrescentar o pò de “zafferano” nas tintas, para que estas adquirissem o peculiar tom de amarelo ouro. Eis que em certa ocasião, o mestre, observando o aprendiz fazendo a tal mistura, disse:

– “Ragazzo, sei matto? Qualche giorno metterai il zafferano pure nel risotto”

Voilà! Sentindo-se afrontado pelo chefe, o aprendiz misturou o açafrão no risoto e criou a nova receita que foi aceita rapidamente pelos paladares mais requintados da época, alastrando-se milagrosamente por toda a Itália. Serà verdade? Bom, não sei ao certo, existem outras teorias sobre o surgimento do Risotto alla Milanese que ferem o ego de muitos chef’s por ai, mas de todas, esta é sem dúvidas a mais poética, certamente!

Vamos ao que interessa?

RISOTTO ALLA MILANESE

Risotto alla Milanese

Ingredientes

Esta receita serve 4 pessoas aproximadamente e possui 430 Kcal por porção, nada mal para quem se preocupa em manter a forma.

  • 1/2 xícara de manteiga
  • 1 cebola pequena picada
  • 2 xícara  de arroz arbóreo, vianole ou carnaroli
  • 1 taça de vinho branco seco
  • Estigmas de açafrão a gosto, ou açafrão em pó a gosto
  • 8 xícaras de caldo de galinha 4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
  • Queijo parmesão ralado, a gosto

Leve ao fogo metade da manteiga e a cebola e refogue em fogo médio, mexendo, até a cebola ficar macia. Adicione o arroz e refogue, mexendo, por um minuto. Regue o arroz com o vinho e cozinhe até o líquido se evaporar. À parte, junte o açafrão a uma xícara do caldo de galinha e misture ao arroz. Vá cozinhando e despejando o caldo restante, aos poucos, sempre que o arroz secar.

Cozinhe, sem parar de mexer, por aproximadamente 30 minutos ou até que o arroz fique al dente (teste mordendo um grão. Ele deve ser um pouco resistente por dentro). Se não for mexido constantemente, o arroz não vai desprender amido,  o que lhe dá cremosidade. Apague o fogo e observe a textura do prato. O arroz deve estar com aparência cremosa.

Junte a manteiga restante e o queijo parmesão ralado. Misture bem, tampe a panela e deixe descansar por aproximadamente dois minutos (respeite o tempo de descanso.  Isso é necessário para finalizar o cozimento do arroz). Transfira o risoto ainda quente para uma travessa, decore com mais estigmas de açafrão e, se desejar, polvilhe com queijo ralado. Sirva imediatamente.

Aqui na Itália o risoto é uma entrada, um “primo-piatto” e geralmente é uma refeição unica, quando não é  seguido pelo segundo prato de carne. Como no Brasil, não possuímos esse ritual de primo, secondo, contorno, etc e etc, sugiro como acompanhamento do risoto, uma carne grelhada ou de panela, seja ela vermelha ou branca (menos peixe), assim não fica-se com a impressão de que se fez uma refeição muito leve.

Como o fim de semana esta quase chegando, fica a dica para um almoço elegante, simples, saboroso e com uma herança histórico-cultural de nada mais que 700 anos. Façamos um brinde ao aprendiz de pintor! Viva!

Buon appetito a tutti!

Encerro por aqui com uma frase maravilhosa de Sayonara Ciseski que diz:

“Cozinhar é como tecer um delicado manto de aromas, cores, sabores, texturas. Um manto divino que se deitará sobre o paladar de alguém sempre especial”

Mamma mia! Até a próxima semana,

Ci vediamo!

Arte e Design… na rua!

11/03/2010

Foi numa dessas tardes em que o Sol nos brindava com sua luminosidade e calor, que ao chegar à Piazza Scala, me deparei com doze gigantes caracóis, de cor rosa pink.  Na hora não entendi do que se tratava, até o momento em que busquei informação. Como esta praça é costumeiramente palco de manifestações artísticas na agitada e frenética capital lombarda, descobri que os caracóis com dois metros de altura por quase três de comprimento, são na realidade, de autoria da trupe de designs italianos da Cracking Art e estavam ali, incansavelmente inertes, na mostra à ceu aberto intitulada “REgeneration”.

Caracóis da exposição “REgeneration" by Jean Ponchiroli

Segundo Massimiliano Finazzer Flory, assessor cultural de Milão e patrocinador da exposição, “A velocidade, nem sempre é uma virtude” e complementa, “O caracol é um animal que se move com a sua casa nas costas e nós queremos fazer Milão se movimentar junto com o ambiente”. Eu simplesmente achei pra là de criativo, e como sempre acontece quando nos deparamos com idéias simples e geniais, pensei: “Como ninguém (eu, inclusive) havia pensado nisso antes?

Caracóis da exposição “REgeneration" by Jean Ponchiroli

Em suma, a mostra “itinerante” que circulará por outros lugares de Milão, inclusive em frente à Estação Centrale, nos induz à seguinte reflexão: Take it easy! Ande mais devagar! FERMATI! PARE! Escute com o coração os sons ocultos do dia a dia. Conseguiram entender ou compreender o “espírito da coisa”?  Um tanto quanto óbvia e no mínimo GENIAL, não é verdade?

Caracóis da exposição “REgeneration" by Jean Ponchiroli

Milano Cult é isso!

Ci vediamo!

Neve da quase Primavera

10/03/2010

Manha de neve by Jean Ponchiroli

Este post é uma espécie de notícias da última hora, ou notícias do último inverno, como queiram. Enquanto estamos em contagem regressiva para a chegada da Primavera, que acontecerá daqui a duas semanas, eis que Milano testemunha a chegada de mais uma “onda de mal tempo”, na qual somos brindados com mais um espetáculo da natureza, a Neve.

Arvores brancas by Jean Ponchiroli

Antes que os afazeres e obrigações do dia me tolhessem a oportunidade, nesses últimos suspiros da estação gelada, coube a mim, registrar essas belas imagens, antes que a ação da chuva e do vento, borrassem esta bela obra prima.

  

Manha de neve by Jean Ponchiroli

Um Excelente dia para todos!

Ci Vediamo!

Cidades da Itália | LECCO

08/03/2010

Sábado de “sol azul” aqui na Itália, dia de Tempo Libero. Como a maioria dos italianos fazem no “weekend”, resolvemos explorar uma cidade ainda desconhecida que fica a menos de uma hora de Milao. Chama-se LECCO e com esta charmosa cidade à beira de um lago cristalino, abriremos a serie ” CIDADES DA ITALIA“.

Panorâmica de Lecco by Jean Ponchiroli

Começamos a nossa viagem, colhendo alguns dados interessantes sobre Lecco, são eles:

  • População: 45.000 habitantes
  • Região: Lombardia (Norte)
  • Distancia de Milao: 55 km
  • Tempo de viagem de trem: 50 minutos
  • Custo da viajem: € 3,60 , partindo de Milao
  • Santo Patrono: São Nicolau

Panorâmica de Lecco by Jean Ponchiroli

Lecco surpreende os visitantes à primeira vista. Localizada ao norte da Itália, quase na divisa com a Suíça, está cravada entre montanhas altíssimas e banhada por um magnífico lago chamado, Lago di Como (Alguns mapas trazem a inscrição, LAGO DI LECCO). Suas montanhas circunvizinhas, morfologicamente indicam que o território onde encontra-se Lecco, è resultado de longas intervenções de eras glaciais que formaram o planeta Terra.

Panorâmica de Lecco by Jean Ponchiroli

O Lago, atração principal da cidade e considerado um dos mais belos da Itália, surge nessa concavidade gerada pelo agrupamento dos Pré-Alpes e surpreende pela transparência das águas, pela extensão e pela exuberante beleza natural. Neste sábado ensolarado, caminhar pelas calçadas a beira do Lago era um convite irresistível para amenizar o frio cortante de 5 graus que fazia na cidade. Tenho que confessar que foi um dia memorável!

E como uma imagem fala mais que mil palavras, abaixo segue uma seleção de fotografias, especialmente selecionadas para o Tempo Libero.

P.s. Não esqueça de “clicar” para ampliá-las!

Estação de Trem by Jean Ponchiroli

Beira do lago by Jean Ponchiroli

Ao fundo a torre da Igreja Matriz by Jean Ponchiroli

Calçada ao longo do lago by Jean Ponchiroli

Parque na beira do lago by Jean Ponchiroli

Teatro municipal, estátua de Garibaldi by Jean Ponchiroli

Foto de rua by Jean Ponchiroli

Igreja Matriz by Jean Ponchiroli

Agua benta "engarrafada" by Jean Ponchiroli

"Lungolago" by Jean Ponchiroli

Um banco solitário by Jean Ponchiroli

Um barco na manha de sábado by Jean Ponchiroli

Uma janela para o passado by Jean Ponchiroli

Uma viela qualquer by Jean Ponchiroli

Uma igreja morro acima by Jean Ponchiroli

Patos na lagoa by Jean Ponchiroli

Jean Ponchiroli by Jean Ponchiroli

Entardecer by Jean Ponchiroli

Como puderam ver, uma foto mais surpreendente que a outra. A vontade, era de passar a tarde inteira disparando fotografias. Ah! Não sei se perceberam, mas inaugurei neste “post” as minhas filmagens (amadoras), no intuito de tornar mais “realista” a aventura!

Espero que tenham gostado!

Até a proxima série  “Cidades da Itália“!

Ci vediamo!

Passione

04/03/2010

Porto Venere na Toscana by Tom Sellek

Por esses dias, descobri que a nova novela das “oito” que na realidade é das “nove”, que substituirá “Viver a Vida”,  se chamarà Passione e que a primeira fase da novela será (já esta sendo) gravada aqui na Itália, mais precisamente na Toscana. Ótima pedida! Ótima!

Acredito que a trama, escrita por Silvio de Abreu será fantástica e pela fama do escritor, pode-se esperar uma “dramalhão” do tipo policial com tramas bem arquitetadas e suspense empurrado com a barriga por toda a trajetória da novela para então, o desfecho final (já esperado por todos).

Andei pesquisando a lista de nomes que farão parte do elenco e todos, faço questão de frisar, todos dignos do horário nobre, assim como dignas de horário nobre serão também, as imagens e cenas espetaculares gravadas na Toscana, aqui na Italia. Vamos aguardar e ver o que Passione reservará aos telespectadores em Abril, quando inicia a trama.

Como curiosidade, deixo aqui registrado a abertura alternativa da novela, onde pode-se vislumbrar vários belos lugares da Itália, com trilha sonora de Laura Pausini que canta “Benedetta Passione” (Letra da música aqui).

Ci vediamo!

Hamlet (Moderno)

02/03/2010

Blogar ou não Blogar, eis a questão!

No fim de semana, enquanto navegava na internet, dei de cara com essa “charge” e achei no mínimo, interessante! Apoiei a caneca de café na mesa e pensei: “Quantas vezes, escrevi um “post” e depois de pronto, fiquei pensando, “postar”, ou não “postar”, eis a questão”. Dei risada de mim mesmo!

Uma excelente semana para todos os bons de alma e coração!

Ci vediamo!

Sanremo 2010

28/02/2010

Há pouco mais de uma semana, aconteceu aqui na Itália o 60° SANREMO (site) , o festival da canção Italiana. Neste festival, apresentam-se vários cantores, alguns conhecidos e outros que tornam-se verdadeira revelação. O vencedor deste ano, foi o cantor Valerio Scanu (site), nascido na Sardenha, Itália. Scanu, já havia participado de outro programa de muito prestigio aqui, o AMICI (Amigos), uma espécie de FAMA, que tinha no Brasil. Ele interpreta a canção Tutte Le Volte Che (letra) de autoria de Carone e com esta canção ele vence o SANREMO 2010.


Bravo, Bravo!

Ci vediamo!

Dia de Feira!

26/02/2010

Eu sei, eu sei. O que que tem a ver esse assunto. Mas, uma das coisas que mais gosto e que me propicia grande prazer, é fazer um passeio em feiras de rua, por isso resolvi escrever sobre o argumento. As feiras, tradição antiga na Itália e que aqui são chamadas de “mercato al cielo aperto” (mercado ao céu aberto), atraem semanalmente, uma multidão de pessoas às ruas, sendo o sábado o dia da semana mais agitado e frenético.

Passear por uma feira, para mim, é como explorar um mundo novo, de formas, cores, cheiros, sabores e texturas diferentes, e quem como eu, aprecia a culinária, sente-se num oásis, diga-se de passagem. Alguns podem me dizer que no Brasil também possuímos as feiras de rua em quase todas as cidades, concordo, mas tenho que me render ao fato de que aqui é diferente. A razão, é que a Itália quase não produz muitas das frutas e verduras aqui comercializadas, o que significa que são na grande maioria, importadas de outros países, inclusive Brasil, assim sendo são produtos tipo “exportação”, ou seja, parecem frutas e verduras feitas de cera, acreditem. (continua…) Leia mais…

Italian Style

23/02/2010

Quando ainda estava no Brasil, me recordo de ter recebido por e-mail uma animação de Bruno Bozzeto (Site), que comparava o público Italiano com o público restante da Comunidade Europeia, EU (Europe Union). Lembro perfeitamente que naquela época, a animação já me pareceu engraçada, mas reve-la hoje, depois de estar acostumado com o “style” italiano, é muito mais divertido, juro! E querem saber? O filme representa EXATAMENTE como é o estilo italiano de ser, nas peculiaridades representadas em varias situaçoes do cotidiano, e outra, como foi executado por um próprio italiano, e diga-se de passagem, muito talentoso por aqui, possui todo o merito da confiança. Para quem ainda não o assistiu, meus votos de boas risadas!

Pessoal, a realidade é essa mesmo. TUDO IGUAL! No final das contas, quando se mora aqui, você acaba rindo de tudo, Salve a PIZZA!

Ci vediamo!

Cartão Postal

22/02/2010

Era um domingo de sol, na cidade de Monza, norte da Itália. No meio da tarde, enquanto eu desfrutava de um passeio ao parque da cidade, em minha direção, cavalgava uma amazona em velocidade rítmica. Sem perder tempo e aguardando o momento exato, fiz um disparo fotográfico magnífico, uma composição no mínimo bucólica. Enquanto empunhava a maquina fotográfica, aguardando a sua aproximação, lembrei do ditado que diz, “a oportunidade é como um cavalo encilhado, passa apenas uma vez”. Ditado oportuno, pensei. Flash! Virou cartão postal.

Ci sentiamo!

A frase sobre o Caffè

22/02/2010

Fotografia by Jean Ponchiroli

Fiz essa fotografia, há certo tempo, num caffè de uma estaçao de trem, aqui na Italia. Achei a frase tão fascinante, que assim que tirei a maquina fotografica da bolsa, a garçonete mal-amada gritou de dentro do balcão.

– Oh…Oh… Senti, non è possibile fare le fotografie qua dentro!

– Va bene…va bene! Non ti preocupare! Respondi eu CLIENTE, com uma cara de bem-amado, enquanto sem flash, meu dedo disparava algumas fotos.

De todas, essa foi a que ficou melhor. E a frase de Talleyrand diz:

“O café deve ser quente como o inferno, negro como o diabo, puro como um anjo e doce como o amor”

Ci vediamo!

Alpes

20/02/2010

Imagem da Itália, do satélite.

Da sacada do meu apartamento, consigo ver os alpes, localizados ao norte da Itália, essa faixa branca que se pode visualizar pela imagem do satélite. São formações rochosas milenares, que nessa época  do ano (inverno), estão ainda mais cobertas de neve. Esses alpes, fazem parte de uma cadeia rochosa que vai da França até o sul da Alemanha, divisa com a Austria. Fazendo uma busca mais aprofundada, descobri que os Alpes foram levantados devido à presão exercida sobre sedimentos da bacia do mar de Tétis, à medida que os seus estratos mesozóico e cenozóico foram empurrados de encontro à estável massa eurasiática pela massa africana, que se movia na direção norte. Isto ocorreu durante as épocas oligocena e miocena. A pressão formou grandes dobras, chamadas “nappes”, que subiram do que era o mar de Tétis e pressionaram na direção norte, com freqüência partindo-se e deslizando umas sobre as outras.

A paisagem vista hoje, foi formada principalmente por glaciação ao longo dos últimos dois milhões de anos. Pelo menos, cinco eras glaciais atuaram para alterar a região, ao formar os lagos e arredondar as colinas de calcário na franja setentrional. As geleiras têm recuado ao longo dos últimos 10 mil anos. Crê-se que, com o término da última era glacial, o clima foi alterado de maneira tão súbita que as geleiras recuaram para as montanhas num período de cerca de 200 a 300 anos.

No inverno passado, tive a oportunidade de ir até uma estação de esqui, na região do Piemonte, também no norte da Itália, divisa com França e Suíça. A montanha chamava-se Mottarone (site), e fica localizada entre o lago Maggiore e o lago d’Orta, com quase 1.500 m de altura, um dos menores picos da cadeia rochosa. Os carros para conseguirem subir ate o pico, tem que ser equipados com correntes nas rodas para melhorar o atrito com o chão derrapante coberto de gelo, o que diminui a velocidade. Já no alto, quando descemos do carro e pude encher os pulmões de ar, tive a sensação de que estava no céu, ou pelo menos encostado nele. Que vista espetacular, a que tive! De tanta claridade, no inicio, os olhos teimavam em permanecerem abertos. Em uma direção podia-se vislumbrar a França, na outra, a Suíça e a naturalmente a Itália.

A paisagem, sem sombras de dúvidas, foi uma das mais lindas que vi em toda a minha vida. Um panorama monocromático em branco, a perder de vista. Os picos cobertos de neve, dependendo da hora do dia e da influência da luz do sol, adquiriam tons de cores surreais, que oscilavam do azul ao violeta. Um espetáculo da natureza, a um palmo do meu nariz. Evidentemente, fiz muitas fotos, das quais, compartilho algumas com todos vocês, para que possam apreciar e tornar reais essas poucas palavras, que sem dúvidas, não descrevem a totalidade da beleza da natureza, que nesse dia se fez um presente em minha vida.

Clique nas fotos para ampliá-las.

Fotografia n° 1 by Jean Ponchiroli

Fotografia n° 2 by Jean Ponchiroli

Fotografia n° 3 by Jean Ponchiroli

Fotografia n° 4 by Jean Ponchiroli

Fotografia n° 5 by Jean Ponchiroli

Fotografia n° 6 by Jean Ponchiroli

Fotografia n° 7 by Jean Ponchiroli

Fotografia n° 8 by Jean Ponchiroli

Entenderam a emoção, sobre a qual tentei descrever? Espero que tenham gostado, um grande abraço,

Ci vediamo!

Conselhos para a Vida

18/02/2010

Só você pode se derrotar

“Na época da ditadura, eu estava presa no Dops, em São Paulo. Como as celas estavam lotadas de presos políticos e havia menos mulheres do que homens, botavam a gente nas solitárias. Então, fui parar em uma solitária. Estávamos eu e uma jovem de 21 anos chamada Leslie Denise, a Lelé. Um dia bateram na nossa porta com uma caneca. Pela janelinha, vimos um velhinho de olhos azuis. Com bandagens nos pulsos, ele disse assim: ‘Oi, meu nome é Jacob Gorender. Como é que vocês se chamam?’. Entre os presos havia dois estrangeiros do Al Fatah (facção palestina). Um deles nos contou que o velhinho era o doutor Jacob Gorender. Fizeram barbaridades com ele e passamos a cuidar dele. Lavávamos sua roupa, amassávamos abacate, botávamos açúcar, limãozinho. Ficamos amicíssimas dele. A gente o achava velho, mas ele tinha 47 anos. Um dia, ele me deu um conselho: ‘Só tem uma coisa que você não pode fazer’, disse para mim e para Lelé. ‘Vocês não podem achar antecipadamente que eles (do Dops) sabem tudo, porque, se você achar que eles sabem tudo, que entendem tudo e são tão poderosos, vocês já se derrotaram’. Então, na vida, você não pode achar nunca que as pessoas sabem tudo ou são tudo. Se você não for capaz de entender o que a outra pessoa quer de ti, como é que ela te atinge, se você não for capaz de fazer isso, você já perdeu. E a frase dele era a seguinte: ‘Cuidado. Só você pode se derrotar’.”

Dilma Rousseff, 61 anos, mineira, ministra-chefe da Casa Civil

Música Italiana

17/02/2010

A partir de hoje, estarei postando aqui no TL, os vídeos das músicas mais tocadas aqui na Itália e conseqüentemente na europa. Bem sabemos que a música italiana faz sucesso em todo o mundo, vero? Mas o que rola atualmente no universo da música italiana? Quem são os protagonistas da nova geração de cantores?

Para estrear esta nova categoria do TL, vou começar com uma canção interpretada por Lorenzo Jovanotti (sobre o cantor, clique), que se chama Punto (letra aqui). Escolhi esta música, pois é fruto de uma parceria com o músico brasileiro e compositor de bossa nova, Sergio Mendes. Na canção é perfeitamente perceptível o ritmo da musicalidade brasileira, porém a letra é cantada em Italiano por Jovanotti e foi lançada aqui na Itália no ano passado.

Espero que tenham gostado!

Ci vediamo!

Cartão Postal

16/02/2010

Fiz essa fotografia na cidade de Brescia, aqui no norte da Itália. Não pude deixar de capturar esse momento de contemplação de um simpático casal italiano, debruçados sobre o mirante da cidade. Ilustres desconhecidos que no anonimato, contribuíram para este magnífico resultado. Digno de um cartão postal, concordam?

Ci vediamo!

Curso de Culinária na Itália

16/02/2010

Instalações da escola de Culinária Italiana "Teatro7"

De cada dez assuntos abordados por italianos, oito deles tem a ver com comida, afirmo por experiencia própria. O amor deles pela culinária é algo incrivelmente fora do normal, eles discutem receitas, maneiras de preparação, ingredientes e combinações, tudo isso enquanto saboreia-se um cafezinho, pode? Pode! Essa é a Itália. Não é por mera coincidência que essa tradição, exportada para todo o planeta,  nos mostra que em qualquer lugar do mundo é possível encontrar um restaurante Italiano, non è vero?

Por ser universal, a culinária italiana é considerada a mais consumida de todas as cozinhas do mundo ocidental. Sua história, revela uma grande influência de diversas partes do mundo (Celtas, gregos, etruscos, romanos, lombardos, árabes, normandos, austríacos, espanhóis, etc.). Estas contribuições culturais, juntamente com as diferenças de clima e historia ambiental do pais, levaram a variedades regionais bem caracterizados.

Instalações da escola de Culinária Italiana "Teatro7"

A culinária italiana é o melhor exemplo da cozinha conhecida como Dieta Mediterrânea, considerada uma das mais tradicionais e ricas do mundo. Segundo recentes pesquisas, consumindo os alimentos desta dieta por apenas 3 meses, reduz-se em 15% o risco de ter uma doença do coração, e não estamos falando de milagres não, mas a simples incorporação no cardápio, de frutas, óleo extra-virgem de olivas, pães, sementes, cereais e peixes. Suas receitas são um importante elemento do estilo de vida italiano e refletem nas diferentes culturas e historia do país.

Curso de Culinária

Os cursos de Culinária oferecidos aqui na Itália, além de promover ao mesmo tempo, o aprendizado da língua italiana, é direcionado aos apaixonados pela cozinha italiana, como EU. As aulas na sua totalidade, são ministradas por chefes de cozinha renomados e nos cursos, aprende-se a desenvolver um menu completo, que vai dos anti-pastos à sobremesa. Não posso esquecer de comentar, os pratos são escolhidos de acordo com a estação do ano, claro e os produtos, como eles fazem questão de dizer aqui, são 100% ITALIANOS. Mamma mia!

Instalações da escola de Culinária Italiana "Teatro7"

Onde estudar Gastronomia aqui na Italia?

Na realidade, cursos de culinária, encontram-se ao montes pela a Itália. Em todas as regiões, para ser bem sincero. Uns mais relevantes, outros menos. Mas a cidade de maior destaque, sem duvidas é a Florença, Firenze em italiano. Florença é conhecida mundialmente como pólo cultural e gastronômico da Itália, e não é por menos. Berço da língua italiana (Dante Alighieri) e do Renascimento, Florença tornou-se uma cidade de requintes e renomada pelas receitas e pela maneira de cozinhar e apresentar os pratos, além do mais esta localizada na TOSCANA, circundada por vinícolas e campos de girassóis, preciso dizer mais alguma coisa?

Eu listei umas seis instituições especializadas em Culinária Italiana, algumas delas inclusive, Culinária Italiana para Estrangeiros, e o que isso quer dizer? Quer dizer que, além de se aprender os segredos da culimaria italiana, você ao mesmo tempo, intercalar aulas de aprendizado da língua, não é fantástico?. Os cursos custam desde €60 por aulas individuais temáticas, tipo Pasta, Risotto, Peixe e etc, ate € 3.000 para um curso completo de algumas semanas. Algumas escolas, montam pacotes para alunos estrangeiros, que contemplam até mesmo as acomodações em hotéis, pousadas, casa de família ou albergues, de acordo com as exigências do aluno. Os sites geralmente são oferecidos com a possibilidade da língua portuguesa, o que para quem é leigo em italiano, ajuda bastante.

Instalações da escola de Culinária Italiana "Teatro7"

Os sites que recomendo uma pesquisa são:

Agora é com vocês, Chef’s de plantão. Uma oportunidade única, prazerosa e divertida, de trocar experiencias culturais, aprender uma língua encantadora e desvendar os segredos dessa apetitosa culinária apreciada em todo o mundo!

Ci vediamo!

Um ano no ar!

15/02/2010

"A melhor compensação por uma coisa que realizamos é a capacidade que adquirimos para fazer ainda mais"

O TEMPO LIBERO, completou um ano de vida! Antes de mais nada, quero sinceramente, agradecer as quase 3.000 visitas ao Blog e agradecer a todos os amigos leitores que me deixaram seus comentários, sugestões e e-mails.

Estou certo que os bons ventos soprarão a nosso favor e que teremos a oportunidade de comemorarmos outros tantos anos no ar, mantendo sempre o diálogo franco, despretensioso e sincero.

A todos, Obrigado de Coração!

Grazie di Cuore!

Ci vediamo!

Valentine’s Day

15/02/2010

"O amor é o sentimento dos seres imperfeitos, posto que a função do amor é levar o ser humano à perfeição." Aristóteles

Hoje, dia 14 de fevereiro, comemora-se o Valentine’s Day.  O Dia dos Namorados. No Brasil, comemoramos no dia 12 de junho, por ser véspera de 13 de junho, dia de Santo Antonio, o Santo português com tradição de casamenteiro. Como forma de registrar este dia tão especial , o dia dos namorados, selecionei um vídeo (um dos meus prediletos) de uma canção de Carla Bruni (primeira-dama da frança), que se chama Quelqu’un M’a Dit, que quer dizer, Alguém me disse. Feliz dia dos namorados, mesmo que antecipado, a todos os casais apaixonados!

Traduçao

Quelqu’un M’a Dit (Alguém me disse)

Carla Bruni

Falam que nossas vidas não valem grande coisa,
Elas passam em um momento como murcham as rosas.
Falam que o tempo é um canalha
Que nossas tristezas são aparência
No entanto alguém me disse…

Refrão
Que você ainda me amava,
Alguém que me disse que você ainda me amava
Será isto possível então?

Falam me que o destino se diverte conosco
Que não nos dá nada e que nos promete tudo
Que a felicidade está dentro do alcance,
Então um aperta a mão e se encontra
No entanto alguém me disse…
Refrão

Mas quem me disse que você sempre me amava?
Eu não recordo mais, era tarde da noite,
Eu ouço ainda a voz, mas eu não vejo o rosto
“ele ama você, isso é segredo, não lhe diga que eu disse a você”
Você vê alguém dizendo a mim…

Que você ainda me amava, você disse isso realmente…
Que você ainda me amava, seria isto possível então?

Falam que nossas vidas não valem grande coisa,
Elas passam em um momento, como murcham as rosas
Falam que o tempo é um bastardo
Que nossas tristezas são aparência
No entanto alguém me disse…

Ci vediamo!

A Palavra

11/02/2010

Hoje estava lendo um texto de William Blake e achei oportuno publica-lo aqui no Blog. Um texto que toca, principalmente, àqueles que apreciam a escrita.

“Tudo que escrevemos é fruto da memória ou do desconhecido. Se eu tiver uma sugestão a dar, respeite o desconhecido, e busque nele sua fonte de inspiração. As histórias e os fatos permanecem os mesmos, mas quando você abre uma porta no seu inconsciente, e deixa-se guiar pela inspiração, verá que a maneira de descrever o que viveu ou sonhou é sempre muito mais rica quando o seu inconsciente está guiando a caneta.
Cada palavra deixa em seu coração uma lembrança – e é a soma destas lembranças que formam as frases, os parágrafos, os livros. Palavras são flexíveis como a ponta da pena de sua caneta, e entendem os sinais do caminho. Frases não hesitam em mudar de curso quando descobrem, quando vislumbram uma oportunidade melhor. Palavras têm qualidade da água: contornar rochas, adaptar-se ao leito do rio, às vezes transformar-se em lago até que a depressão esteja cheia e possa continuar seu caminho. Porque a palavra, quando escrita com sentimento e alma, não esquece que seu destino é o oceano de um texto, e mais cedo ou mais tarde deverá chegar até ele”.

Não é  fantástico?

Ci vediamo!

O Mito da Caverna

08/11/2009

Nesta gelada manha de domingo, recebi um e-mail muito interessante e que quero compartilhar com todos, afinal o assunto nos toca de alguma forma.  Trata-se de uma análoga e moderna versão em quadrinhos do “Mito da Caverna”, também chamada “Alegoria da Caverna”, escrito pelo filósofo Platão, 400 anos a.C., uma exemplificação de como podemos nos libertar da condição de escuridão que nos aprisiona através da luz da verdade. Preparados?

As sombras da vida

O resumo, segundo os especialistas e segundo a metáfora de Platão, o processo para a obtenção da consciência abrange dois domínios: o domínio das coisas sensíveis (eikasia e pístis) e o domínio das idéias (diánoia e nóesis). Para o filósofo, a realidade está no mundo das idéias e a maioria da humanidade vive na condição da ignorância, no mundo ilusório das coisas sensíveis, no grau da apreensão de imagens (eikasia), as quais são mutáveis, corruptíveis, não são funcionais e, por isso, não são objetos de conhecimento.

Quase 2410 anos depois de ser escrita, ainda é atual, não é verdade? Que tal refletirmos?

Para quem se interessar em ler na integra o texto, criei um arquivo “pdf” que pode ser baixado no seu computador:

O Mito da caverna_Platao (Pdf)

Ci vediamo!

Got Coffe?

06/11/2009

Cafe Tempo Libero

Eu li em uma reportagem essa semana, que um bom expresso pode ajudar a clarear a mente da neblina matutina, mas que bebe-lo muito, pode piorar o nível de stress no trabalho. Se você é do tipinho ansioso(a), vá de chá, que contém menos cafeína e poderá ajudar a reduzir o nível de tensão. Pesquisadores britânicos descobriram que nas pessoas que bebem mais de 5 expressos ao dia, ou 3 cafés americanos (o comum no Brasil), os sintomas de stress psicológico aumentam nitidamente. A cafeina, de fato, provoca um aumento no nível de cortisol, hormônio do stress responsável pelo aumento da freqüência cardíaca, da respiração e dos níveis de atenção.

Esta dada a dica!

Ci vediamo!

Bento XVI é Brasileiro! Hum?

05/11/2009

Papa_Tempo Libero

Lá estava eu na fila, antes de passar pelo rigoroso controle “aeroportuário” dos visitantes, com direito a detectores de metais e revista humana, para então poder entrar na famosa Catedral de São Pedro, sede da religião católica, aqui no Vaticano.

Pois bem, lá estava eu na fila, curtindo um solzinho de outono, quando ouço atrás de mim uma mãe e seu filho que dialogavam tranqüilamente – pelo sotaque do inglês, pareciam ser provenientes da Inglaterra – e em determinado momento o garoto pergunta para a sua mãe:

– Mom, the Pope, where is he from? (Mamãe, o Papa, de onde ele é?), ela então responde segura de si,

– The Pope is Brazilian, my son! (O Papa é Brasileiro, meu filho!)

Foi quando nesse exato momento essa informação caiu no pavilhão auricular dos meus ouvidos e em fração de segundos atingiu meu cérebro quase que despretensiosamente, Papa Brasileiro? Para Brasileiro? Papa Brasileiro? Confesso, não suportaria iniciar a visita a um dos lugares mais adorados e “santificados” do mundo, com esse adolescente e sua mãe, pensando que o Papa é Brasileiro, não..não. Primeiro de tudo que não combina, segundo, “lugar santo” com Brasil parece que não combina, terceiro, trocar o santo e gregoriano fundo musical da catedral, por um “sambinha de uma nota só”, definitivamente não combina, quarto já me veio na cabeça a imagem do papa “tropicaliente”, outra coisa que não combina com a Sua Santidade. Brincadeiras à parte, a informação que em nada condizia com a realidade e atrelada à minha indignação me fizeram virar para trás, olhar bem no fundo do olho daquela mãe e dizer:

– Pardon me? The Pope is whaaaaaaaaat?

– Brazilian? Ela responde, agora titubeante,

– Brazilian? Pergunto eu, agora sim, seguro de mim! There’s a mistake madam , I’M BRAZILIAN, I’M FROM BRAZIL, NOT THE POPE! THE POPE IS FROM GERMANY .

Nesta hora foi como se as trombetas tocassem “um sambinha de uma nota só”, e no batuque do pandeiro caímos numa verdadeira gargalhada. Foi hilario! Na seqüência travamos uma conversinha fiada e enquanto a fila andava, pensei:

O Papa é Brasileiro! Um Papa Brasileiro! Oras, onde já se viu!

Não agüentei o riso no canto da boca, não que futuramente um Papa Brasileiro seja impossível, é logico que não, nos sentiríamos seguramente honrados com isso, mas pensei que depois da Copa do Mundo de 2014, Astronauta Brasileiro, Camada do Pré-Sal, Olimpíadas de 2016 e ainda num conclave, ser eleito um Papa Brasileiro, como se sentiria no nosso querido presidente? No minimo se inflaria de tanto orgulho e satisfação, afinal um Papa Brasileiro no seu mandato seria algo glorioso “demais da conta” e logo já comecei a imaginar onde ele estamparia sua “mão simbolo” ali pela “redondeza” que cá pra nós, essa é outra coisa que não combinaria muito com o Vaticano, certo companheiro?!

– Tutti gli oggeti di metallo nel vasoio, cortesemente! Cintura, orologio, monete, anelli.* Disse um oficial da “Polizia Italiana”, antes de eu passar pelo detector de metais.

*Todos os objetos de metal na bandeja, por favor! Cinto, relógio, moedas, anéis

PAX ET BONUM!

Ci Vediamo!

O Tempo? Voa!

05/11/2009

Calendario_Tempo Libero

Fazem exatos seis meses desde o ultimo “post”, Wowwwwwww! Seis folhinhas despencaram do calendário e em uníssono gritavam: “O tempo voa!” Nesse período de tempo, muitas coisas aconteceram, quase que inumeráveis. Fazendo um resumo do resumo, mudei de cidade, mudei de trabalho, conheci pessoas novas, muitas das quais inesquecíveis, meus filhotes cresceram mais um tanto, conheci outras cidades da Itália, conheci outros tantos países da Europa e a lista continuaria, longe.

Em virtude de tudo isto, para recuperar o irrecuperável tempo perdido, e após este tempo filosófico fora do ar, prometo preencher este espaço com novidades, noticias, curiosidades, historias, fotografias e muito mais. Promessa é divida!

Lembrei da canção, “… hoje o tempo voa amor, escorre pelas mãos, mesmo sem se sentir que não há tempo que volte amor, vamos viver tudo o que há pra viver, vamos nos permitir…NAO HÁ TEMPO QUE VOLTE, VAMOS NOS PERMITIR”. Pensemos nessas sabias palavras!

Ci vediamo!

Venezia

01/05/2009

s50364391

Como definir Veneza para quem “ainda” não esteve lá?  Tarefa difícil, por incrível que pareça. Para mim, Veneza representa o lugar mais bonito que já visitei aqui na Itália.

alfredschaffer2

Não desmerecendo os outros lugares, evidentemente, mas Veneza é única, singular, encantadoramente romântica e TOTALMENTE diferente do que até então eu já tinha visto na minha vida.

s50365061

Digo que definir Veneza é difícil, pois já ouvi relatos de pessoas que já a tinham visitado antes, e me diziam que “Veneza cheira mal!” , que “Veneza cheira esgoto!” que “em Veneza se observam ratos andando pelas ruas!”.

s50365111

Eu acredito que tudo depende de como se encara os fatos e de como a lente, ou o foco da nossa visão está ajustada, mas não foi nada disso que observei. Me surpreendi com uma cidade rica em cultura, repleta de turistas andando pelas ruas feito ratos (será que entendi bem os relatos?).

Uma cidade banhada (literalmente) de belezas indescritíveis, afinal é uma cidade à beira-mar, e que por isso, cheira à beira-mar. Uma cidade repleta de ruelas que formam verdadeiros labirintos que sempre terminam em algum canal por onde deslizam varias gôndolas manobradas por “gondoleiros” impecavelmente vestidos de calça preta, camisa listrada de branco e preto e um chapéu de palha e diga-se de passagem, um canal mais lindo que o outro.

dmitry-arkhipov1

Veneza é uma cidade rica em museus, palácios e uma gastronomia farta em frutos do mar. Uma visão que me surpreendeu , foi ao retornar para o hotel já tarde da noite e observar na cidade, um fenômeno que geralmente acontece nos outonos e primaveras e que se chama “acqua alta”, ou água alta, onde a cidade é alagada pelas águas dos canais e que naquele dia borbulhavam do chão e faziam a Piazza San Marco, por exemplo, se transformar gradativamente em uma incrível piscina olímpica. FOI FANTASTICO! Uma cena para ficar retratada na memória e reforçar ainda mais a bela impressão que esta cidade me deixou!

the-bund1

Veneza sem duvidas é uma cidade que recomendarei sempre, um roteiro extraordinário e um retrato ao vivo e à cores de uma beleza inigualável.

Ci Vediamo!

Jean Ponchiroli

Enfim, Primavera!

15/04/2009

 

Fotografia feita em Milao

Fotografia feita em Milao

 

Não aguentava mais ver neve pela frente! A neve é linda na primeira semana, depois deprime, te coloca num estado meio “down” e cosi non và bene! O bonito mesmo é ver a neve lá na montanha, nos Alpes, coisa que para nós brasileiros é inédito, só se vê em filme. Quando tive a oportunidade de ver os picos cobertos de branco, pessoas esquiando, rolando na neve, e aquele horizonte branco que se perde numa paisagem surreal, fiquei realmente boquiaberto.

 

Mas como em qualquer situação, o tempo transcorre, a neve deu uma trégua e na primeira oportunidade as arvores se encheram de brotos e o tom de verde começou a predominar pouco a pouco na paisagem italiana, dando lugar à estação mais linda do ano, a Primavera! Me sinto obrigado a registrar uma curiosidade que me chamou a atenção aqui na Itália, o “culto” às estações do ano, que aqui são extremamente definidas. Programa-se tudo baseado nas estacões, ou se espera as estacões como quando criança, esperávamos o papai noel. Chega a parecer um culto “pagão”, num país que é extremamente dominado pela igreja católica. Curioso!

 

Os parques se enchem de seres humanos até então entocados e brancos feito leite. O clima torna-se ameno, o astro rei banha o dia com sua luz convidativa e pessoas se jogam nas gramas feito lagartos nas pedras em busca de um lugar ao sol. Fantástico! Como existe no Brasil, aqui iniciou uma espécie de horário de verão, o que aumenta a predominância do sol em uma hora e aumenta a diferença para o Brasil, que agora são de cinco horas.

 

A paisagem muda, completamente! Falo sempre, parece que a Milão que eu conheci ao chegar, coberta com cinqüenta centímetros de neve, não é a mesma Milão de agora, coberta com tapetes verdes e salpicada de flores para todos, repito, todos os lados! Um verdadeiro espetáculo da natureza! E falando em natureza, o bicho homem também sofre a influencia da estação. Aqueles semblantes fechados e mal humorados do inverno, dão lugar agora à expressões contagiantes de leveza e alegria, à moda italiana, claro!

 

Um VIVA à Primavera, estação do renascimento, onde a natureza se expressa em magnitude e tudo se transforma, nesse perfeito ciclo de renovação da vida.

 

Ci vediamo,

 

Jean Ponchiroli

Terremoto em nossas vidas

10/04/2009

  

Palacio do Governo apòs terremoto em L'Aquila

Palacio do Governo apòs terremoto em L'Aquila

 

Esta semana, dia 05 de abril, o centro da Itália sofreu a ação de um terremoto. Um total de quase 300 vitimas fatais e mais um gigante saldo de feridos e desabrigados. Acompanhar o sofrimento das pessoas que sobreviveram e ao caos que viraram as cidades circunvizinhas à L’Aquila, não foi fácil. Os helicópteros sobrevoando as áreas atingidas, casas, prédios, igrejas e centros históricos no chão, pareciam mais cenas de filme.

 

Toda tragedia natural comove. Seja uma enchente como a que tivemos no sul do Brasil no final do ano passado ou seja um terremoto, como esse que aconteceu aqui na Itália essa semana. Esse tipo de acontecimento, repetidas vezes nos mostra o quanto nós homens, somos frágeis e suscetíveis.

 

Esta tragedia do dia 05 me fez recordar de uma cena que presenciei ao visitar um cemitério aqui em Milão, umas duas semanas atrás. Duas determinadas quadras do cemitério estavam sofrendo exumação em massa e funciona mais ou menos assim: A pessoa é enterrada e após 10 ou 20 anos (dependendo do contrato firmado com o cemitério) os restos mortais são retirados e depositados em pequenas urnas, uma especie de pequenas gavetas nas paredes . A Cena que presenciei continham duas maquinas escavadeiras, abrindo as trincheiras e revirando os caixões e três ou quatro responsáveis pela “limpa” atrás, catando o que sobrou apos a retirada dos ossos. Uma montanha de terra remexida, misturada com restos de caixão, sapatos, e roupas. Após observar uma retroescavadeira levantando terra do chão e roupas vindo penduradas nos garfos, fiquei em estado de choque e conseqüentemente em estado profundo de reflexão durante aproximadamente 3 dias. Tive a sensação que o terremoto agora se passava dentro de mim, demolindo e destruindo as estruturas de orgulho, ego e prepotencia que temos erguidos dentro de nòs. O velho jargão começou a martelar na minha cabeça, meu Deus… nós não somos nada! Não somos ninguém! Esse tipo de situação é intrigante, pois ela nos abre o olho e nos joga de cara no espelho, onde olhamos a imagem refletida e começamos a nos perguntar o que já fizemos nessa vida e o que ainda temos por fazer e todos aqueles pensamentos que afloram quando nos damos conta da brevidade da vida. O final, se vê que é igual para todos em qualquer lugar desse mundão e percebe-se mais e mais e mais uma vez, como essa nossa vida é passageira!

 

Sobre o terremoto aqui na Italia, como não se comover com a dor dos familiares que perderam alguem estimado, principalmente numa data especial como esta de Pascoa, onde se busca estar em reunião e convívio familiar. A única coisa que posso fazer é esperar sinceramente, que encontrem o conforto necessário e que saibam mesmo numa situação lastimável como esta, encontrar forças para continuarem a reconstruir suas vidas dia após dia.

 

Aqui em Milão? Bom, aqui em Milão a vida continua como se nada tivesse acontecido a 400 km daqui. Pessoas andando e correndo pra lá e pra cá, em busca de aplacar os terremotos particulares de cada dia. Enquanto uns choram, outros riem, outros rangem os dentes e outros gargalham. Assim a vida continua no seu ciclo perfeito, e aqui em Milão, as árvores se enchem de folhas e as flores se abrem dando as boas vindas para a estação mais linda do ano, a Primavera! Esperança de dias melhores.

 

Ci vediamo,

 

Jean Ponchiroli

Metropolitana di Milano

09/03/2009

Certa ocasião, li um texto da jornalista Tania Menai, que falava sobre o metrô de Nova Iorque, cidade onde ela mora. Sem a intenção de fazer um plágio (grande), aquele texto de certa forma me estimulou a falar um pouco sobre minhas experiências no metro de Milão.

 

Como disse em outro “post”, o metrô de Milão tem três linhas. São elas, Vermelha, ou M1, Verde, ou M2 e Amarela, ou M3. Essas linhas rasgam a cidade de Norte a Sul, Leste a oeste, num total de quase 75 km e 88 estações, a maior linha da Italia. Este, è o meio de trasporte certamente mais utilizado e por estas estaçoes circulam milhares de pessoas por dia e eu sou uma delas e como curiosidade, aqui metrô em italiano è chamado de Metropolitana.

 

No metrô se vê de tudo. Mas se vê de tudo mesmo! Gente de todas as cores, raças, credos e estilos. Se vê cachorro, gato e papagaio. Se vê gente emburrada, gente sorrindo, gente ouvindo música, gente discutindo, gente perfumada e gente fedida. Se vê turista tentando decifrar o mapa das linhas. Se vê ciganas querendo ler as linhas das mãos dos passageiros e se ve gente fazendo shows à bordo em busca de umas “monetas”. Eu diria que è um espetáculo para quem se arrisca a usar este meio de transporte onde às vezes se consegue sentar, outras muitas vezes se fica de pè.

 

Dentre os nossos cinco sentidos, o olfato é estimulado ao máximo. Quando digo máximo, è no sentido MAXIMO da palavra. Imaginem uma cena que se repete vez ou outra. São 18.00 hrs da tarde, hora do “rush”, uma das linhas que utilizo è a vermelha, a mais extensa no comprimento, o que quer dizer que è a mais utilizada. Os vagões param, as portas se abrem e você em fração de segundos mapeia a situação, que geralmente è critica. Conhecem a sensação de enfrentar o desconhecido? Exato, é mais ou menos assim. Você se “enfia” no fluxo “e deixa a vida te levar”, se espreme, pede “permesso” para passar, as pessoas te empurram, você tenta atravessar o vagão, para se enconstar do outro lado no intuito de pelo menos, poder respirar. Nessas horas, o “querer è poder” nao funciona. A viajem começa, panorama? Lata de sardinhas, com direito a cheiro de? Sardinhas! Depois de um dia de trabalho, entre uma minoria de pessoas que toma banho e uma maioria que nao toma banho e não escova o dentes, imaginem a situaçao! Conto os milèsimos de minuto para chegar na minha estação onde poderei saltar são e salvo, entre os mortos e feridos. Isso que ja me alertaram: “Jean, você não viu nada ainda, espere o Verão!”

 

Evidente que isso è um exemplo esporádico do que ocorre. No geral, o metrô è um serviço muito eficiente e resolve um problema que aqui em Milao é caòtico, o tráfego urbano. O incentivo à utilizaçao dos meios alternativos de transporte, digamos que menos poluentes, cresce a cada dia e as campanhas publicitárias estimulam em massa, a utilizacao dos mesmos.

 

Para finalizar, digo que para quem tem espírito esportivo e faz das dificuldades uma oportunidade para se aprender alguma coisa, è possível levar numa boa e dar risada de si mesmo no final das contas. No mìnimo, você estimula a paciência, a tolerância, dá valor ao banho e consegue ainda observar o comportamento humano, que è hilário.  O metrô de Milão è assim, uma aventura diferente a cada dia, e sabe da melhor coisa? Uma aventura que custa apenas 1€ o bilhete! Que venha o Verão!

 

Ci Vediamo!

 

Jean Ponchiroli

 

 

 

A “Zingara”

26/02/2009

Numa dessas manhas, a caminho do trabalho, peguei o metro da linha vermelha (Milao tem tres linhas de metro, Vermelha, Amarela e Verde) e segui minha jornada de quase duas horas para chegar ao destino.

 

Imerso na leitura do livro Anjos e Demonios de Dan Brown, que chegarà nos cinemas em Maio, um perfume sorrateiramente invadiu o vagao e me resgatou da concentraçao.  Peguei o marcador e fechei o livro na pagina 93, com o intuito de observar de onde vinha aquele perfume, que meu cèrebro identificou como “aroma de Lavanda”.

 

Afastada dois metros à minha esquerda, de pè, encostada na barra de apoio, encontrei a fonte de onde exalava o perfume. Uma cigana, ou “Zingara” como os italianos chamam por aqui. Deveria ser alta aproximadamente 1,60 m, calçava um tamanco branco, usava uma meia de listras coloridas, uma saia comprida cor de vinho e bordada com fios que brilhavam, um casaco escuro, que nao combinava com nada e seus cabelos negros eram cobertos com um lenço multicolorido com motivos floridos. Suas maos, tinham dedos cobertos de anèis e os pulsos, com correntes repletas de penduricalhos. Deve estar nos seus 40 anos, pelo menos aparentava. Semblante de gente sofrida.

 

Foi a segunda vez que encontro esta mesma cigana. A diferença esta no fato de que da primeira vez que a encontrei, tive mais medo do que coragem de ficar olhando. Explico. Neste dia, ela discutia com um homem, que pelo que entendi era seu marido e pela forma como ele se portava, submisso, cabeça baixa, pensei… Aprontou alguma! A impressao, era que ela achava que estava sozinha naquele vagao, pois xingava em alto e bom som, com a boca espumando de raiva, os olhos parecendo queimar e apontando para ele com os dedos da mao direita, recitando palavras indecifraveis como se estivesse almaldiçoando o “pobre coitado”. Um espetaculo aterrorizante. Pensei comigo… “que essa praga que ela rogou nao pegue em mim, “pelamordeDeus” e repetia “Jesus que me abrace”, como dizia minha querida amiga Cristiane no Brasil.

 

Mas desta vez ela estava serena, calma, parecia uma outra pessoa. Num certo momento, ela pegou umas moedas e começou a chacoalhà-las nas maos, olhando para as pessoas no vagao, que como eu da outra vez, desviavam o olhar. Pensei comigo, que povinho mais desgraçado esses ciganos, no sentido literal. Eles carregam o peso de uma defamaçao milenar. Lembro da minha infancia, a mà fama que tinham e ainda tem. Minha avò dizia sempre…” se comporte, senao peço para um cigano te levar embora”. E assim a gente cresce os considerando pessoas que roubam, sequestram criancinhas, que sao trapasseiros e por ai vai. Nosso velho prè-julgamento como se nossa raça fosse a mais correta do mundo.

 

Nas minhas pesquisas, descobri que os ciganos ditos “originais”, sao oriundos de uma regiao entre a India e o Paquistao e o seu exodo, teve inico ha mais de 1000 anos, quando fugiam de desvastaçoes e invasoes por parte do reinado de Mahmud Ghazni, um dos mais importantes afegaos da dinastia de “Ghaznavide”. Como todos os seres humanos, buscavam a salvaçao de suas vidas e uma vida melhor, e o deslocamento em massa e para todos os lugares e a caracteristica de nao se fixarem, caracterizou sua cultura como nomade. Na sua grande maioria, sao cristianos, divididos entre catòlicos e ortodoxos e pouquissimos mulçumanos. Aqui na europa, os ciganos de origem indiana sao divididos em quatro grupos etnicos e aqui na italia, por exemplo, o ultimo levantamento registrou a presença de mais de 200.000 deles.

 

Mas enfim, como nessa vida nada è para sempre, algumas “fermatas” à frente, o vagao parou, a cigana desceu, outras dezenas de pessoas subiram e eu abri o meu livro na pagina 93 para continuar a minha leitura. A presença fisica daquela figura “mitologica” nao existia mais, no entanto, o perfume de lavanda que ainda restava no ar, dava a impressao que ela ainda estava ali, chacoalhando moedas, mexendo nos cabelos ou arrumando o lenço na cabeça. Pensei com meus botoes: “Tenho que registrar isso!”

 

Ci vediamo,

 

Jean Ponchiroli

 

 

 

“Caravaggio ospita Caravaggio”

24/02/2009

 

Pinacoteca di Brera

Pinacoteca di Brera

 

Domingo de sol em Milao. Programa? PINACOTECA DE BRERA. 

O Palàcio, oriundo de um antigo convento de 1300 da ordem dos “umiliati”, foi em seguida passado aos Jesuìtas que ali, estabeleceram uma escola. 

Em 1773, apòs a dissoluçao dos Jesuìtas, o “Colegio di Brera” tornou-se propriedade do Estado e na època, a Imperatriz Maria Teresa d’Austria criou neste lugar, alguns dos mais avaçados institutos culturais da cidade, sao eles: Academia de Belas Artes, Instituto Lombardo de Ciencia e Letras, a Biblioteca Nacional Braidense, o Observatorio Astronomico e o Orto Botanico, todos funcionando ate hoje. Uma passeada pelos antigos corredores, no tèrreo, me fizeram ter a sensaçao de viver a 600 anos atràs, pois se conservam absolutamente tudo da època, pavimento, paredes, estàtuas, monumentos e corredores à meia luz, tudo em contraste com os murais, onde estudantes contemporaneos penduram anuncios coloridos, ora vendendo, comprando, ora alugando coisas. 

No andar superior, que se alcança apòs percorrer uma escadaria de pedra, encontra-se a Pinacoteca. Em comemoraçao ao seu bicentenàrio (1809/2009), somos brindados com uma Mostra intitulada “Caravaggio ospita Caravaggio” (Caravaggio hospeda Caravaggio), do entao artista Michelangelo Merisi, dito “Caravaggio” (Milano, 1571 / Porto Ercole, 1610), considerado o primeiro grande expoente da escola barroca e um dos mais famosos pintores do mundo. 

Apòs passar pela entrada da sala XV, adornada com duas colunas de marmore de 10 metros de altura, coroadas com capitèis corìntios, tive o grande prazer de apreciar, por aproximadamente 10 minutos cronologicamente contados, quatro obras de Caravaggio. Dois minutos e meio para cada obra em funçao da quantidade de visitantes. As obras expostas eram, “Cena in Emmaus” de 1601 (National Gallery de Londres), “Cena in Emmaus” de 1606 (Pinacoteca de Brera), “Fanciullo con canestro di fruta” de 1594 (Galleria Borghese, Roma) e “Concerto” de 1595 (Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque).  

Todas sem excessao, excepcionais. No entanto, as “Cena in Emmaus” me chamaram mais a atençao, acredito que pela dimensao da tela, pela mensagem que Caravaggio transmitiu, pelo efeito luz e sombra, pelas expressoes das pessoas retratadas e pelos riquissimos detalhes.  A Pinacoteca, possui um acervo vasto de outros trabalhos de artistas Italianos e de outros lugares do mundo, retratando na sua grande maioria, Arte Sacra.Um belo passeio, onde depois de quase 3 horas de “bate-pernas” entre as varias salas, encerramos a visita. Ufa, pausa para um cafè, urgentìssimo!

Um detalhe me chamou a atençao, enquanto esperava na fila “parada” antes de entrar. Na nossa frente, uma mae com seus dois filhos de aproximadamente quatorze e seis anos, um menino e uma menina, respectivamente. Num trecho da conversa deles, que nao pude deixar de ouvir, a mae falava sobre um outro grande artista renascentista, cujos trabalhos estao expostos em outro palàcio aqui em Milao. Aquela menininha de seis anos, para meu espanto, rapidamente identificou tal artista, fazendo referencia a uma de suas famosas telas, em que uma dama com as maos, levanta as pontas do vestido, fazendo educada referencia de agradecimento, cruzando as pernas e inclinando levemente o tronco. Tudo isso sendo encenado pela menina “artista”. Na hora, me desliguei imediatamente da cena e meus pensamentos me transportaram aos meus tenros seis anos de idade, onde nesta mesma fase da vida, me eram apresentados na escola, nao os grandes artistas renascentistas, mas sim os amiguinhos da criançada brasileira: o saci perere, a temida Cuca, a mula sem cabeça, o bumba meu boi e a legendaria Iara. Pensativo, voltei a Milao, 22 de fevereiro de 2009, 14:00 da tarde, 8 graus de temperatura onde a fila para entrar na Pinacoteca começava a andar. Em seguida, apòs passar pela entrada da sala XV…

Gostou?, para saber mais, acesse o site oficial da Mostra:

http://www.brera.beniculturali.it/Page/t02/view_html?idp=389

Ci vediamo,

Jean Ponchiroli

 

 

 

Milano

05/02/2009

 

Milao, Milano em italiano (Milan em lombardo), è uma cidade ao norte da Italia, na regiao da Lombardia. Tem aproximadamente 1.300.000 habitantes e como comparacao è menor que Curitiba que tem 1.800.000. Caracteriza-se por ser o centro industrial e comercial da Italia e o centro fincanceiro da Europa.

 

Naviglio di Milano

 

Milao è uma cidade multi-ètnica. Abriga pessoas de todo o mundo, incluindo eu, brasiliano tupiniquim e outras etnias dessa terra de meu Deus. E isso percebe-se bastando dar um “giro” no quarteirao do bairro, onde se ouve e se ve, linguas e rostos dos mais diferentes lugares. Europa, Leste Europeu, Asia, America, Africa, gente do cinco continentes. Pra se ter uma ideia, esses dias, pegando uma “conduçao” para chegar ao metro, consegui contar nada mais nada menos que onze linguas, onze! Isso dentro de um onibus, imaginem entao na cidade inteira!

Duomo di Milano

Entretenimento? Em Milao, è impossivel ficar sem fazer nada. Mesmo em dias de chuva. O cardàpio de atraçoes nao tem fim. Bares, que a propòsito ficam abertos atè as 10 da noite, restaurantes, com uma culinària riquìssima com seus diversos pratos, museus, cinemas, parques a ceu aberto, cafès a cada esquina, centros comerciais (pequenos). Atraçoes para todos os gostos e claro, bolsos. Achei curioso a falta de Shopping centers por aqui, nao existem, pelo menos nao os encontrei. Imagino a sensaçao desses italianos num Palladium de Curitiba, com seus 180.000 m2 de puro consumismo, por exemplo. Percebi que os italianos nao sao tao mao-fechadas assim nao! 

Castelo Sforzesco

Na decada de 80, Milao foi considerada “ Città della Moda” e junto com Paris, hoje è reconhecida mundialmente como tal e complemento dizendo que è a mais pura verdade! Excetuando as aberraçoes estilisticas e os “undergrounds” da vida, fico impressionado como as pessoas se vestem bem por aqui, as de bom gosto, claro. Uma passeada pelo centro, proximo ao Duomo, parece mais um desfile de moda do que um simples bater de pernas rumo a um destino qualquer. E ponto para nòs homens, que aqui visivelmente, sao mais vaidosos do que as mulheres. Algumas das marcas famosas que circulam em peso por aqui sao, Valentino (com suas inumeras grifes, para o qual ja fiz alguns projetos), Giorgio Armani, Calvin Klein, Hugo Boss, Prada, Louis Vuitton, Bvlgari e por ai vai. Ruim nè?   

 

Galeria Vittorio Emmanuele

Enfim, Milao me parece muito com Sao Paulo, no sentido da correria do dia-a-dia, do cada um por si, Deus por todos. Nao è por menos que è considerada sua “cidade irma”, desconsiderando o fato de que Sao Paulo tem 11.000.000 habitantes, quase nove vezes maior!

untitled11 Alguns numeros de Milao,

 

1.     30 Museus;

2.     8 Bibliotecas;

3.     23 Teatros;

4.     23 Parques;

5.     11 Hospitais publicos;

6.     5 Hospitais privados;

7.     5 Universidades publicas;

8.     7 Universidades privadas;

9.     3 Linhas de Metro;

10. 8 Linhas de Trem;

11. mais de 1.200 restaurantes e por ai vai.

 untitled1112

Pra quem vem a Milao, impossivel nao visitar o Duomo, a galeria Vittòrio Emmanuele, o Teatro Scala, o Castelo Sforzesco, a Pinacoteca di Brera, o Parco Sempione, a Estaçao Centrale, o Cenacolo di Leonardo da Vinci (Santa Ceia), o Navilho… a lista nao acaba e o mais gostoso è que cada ruazinha que se entra, nos leva a lugares interessantissimos e claro lugares com muita, muita història para contar.  

17791815 

Tenho certeza que nesses 3 meses de Italia, bastante coisa ainda tenho para conhecer e descobrir, afinal uma cidade fundada seculos antes de Jesus, deve reservar ainda muitas surpresas para alguem como eu, que acabou de chegar. Espero que tenha gostado do “resumão”, afinal seria humanamente impossìvel enfiar Milao inteira nesse pequeno espaço. 

atgaaaarhm5tgr73205wte7y7_upo7baojeslksmhy2j9pe5obhmphuwos2wm2uc1wqjg06kjgkreaevsoa50ylaf_ogajtu9va0c704hobbgfkprzd_poar6prqoq

 

Proximo destino? Bergamo.

Ate a proxima.

Ci vediamo!

 

Jean Ponchiroli

Milano | Italia

Bem vindos!

23/01/2009

Quem me conhece, imagina o tempo que investi ao concretizar o projeto deste Blog. Desde a escolha do lay-out da pagina, escolha da imagem, fonte do texto e  na escolha das cores. Mas enfim, depois de pedir algumas opinioes, mudar a xicara de cafè pra cà, depois pra là, centralizar titulo e descentralizar, acredito finalmente que ficou pronto.

O “Tempo Libero” nasceu de uma grande vontade de escrever sobre tudo o que observo e acontece ao meu redor. De forma simples, pois nao sou escritor de romances, cronicas ou poesias, registrarei neste espaço, meu ponto de vista sobre fatos curiosos do dia-a-dia, minhas experiencias ao visitar cidades da Italia, sobre as pessoas e seus costumes, minhas fotografias preferidas, sobre o que acontece no meu tempo libero.

Agradeço sinceramente a visita de todos e espero que gostem do conteùdo, fazendo votos que a leitura seja ao mesmo tempo agradàvel, divertida e enriquecedora. Que naquele momento livre, voces possam apreciar um bom cafè e passar um tempinho na companhia dos meus pensamentos.

Ci vediamo… a gente se ve!.

Jean Ponchiroli

Milano | Italia