Pular para o conteúdo

O Mito da Caverna

08/11/2009

Nesta gelada manha de domingo, recebi um e-mail muito interessante e que quero compartilhar com todos, afinal o assunto nos toca de alguma forma.  Trata-se de uma análoga e moderna versão em quadrinhos do “Mito da Caverna”, também chamada “Alegoria da Caverna”, escrito pelo filósofo Platão, 400 anos a.C., uma exemplificação de como podemos nos libertar da condição de escuridão que nos aprisiona através da luz da verdade. Preparados?

As sombras da vida

O resumo, segundo os especialistas e segundo a metáfora de Platão, o processo para a obtenção da consciência abrange dois domínios: o domínio das coisas sensíveis (eikasia e pístis) e o domínio das idéias (diánoia e nóesis). Para o filósofo, a realidade está no mundo das idéias e a maioria da humanidade vive na condição da ignorância, no mundo ilusório das coisas sensíveis, no grau da apreensão de imagens (eikasia), as quais são mutáveis, corruptíveis, não são funcionais e, por isso, não são objetos de conhecimento.

Quase 2410 anos depois de ser escrita, ainda é atual, não é verdade? Que tal refletirmos?

Para quem se interessar em ler na integra o texto, criei um arquivo “pdf” que pode ser baixado no seu computador:

O Mito da caverna_Platao (Pdf)

Ci vediamo!

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. 07/10/2010 8:37

    [risos]

    Bem típico da realidade brasileira/mundial.
    O conformismo com a SUA realidade não permite uma visão mais aberta sobre o mundo e suas diferentes culturas. rsrs

    Valeu o riso e a reflexão.

  2. 27/08/2011 16:33

    Obrigado por partilhar este post que permanece bem avivado através dos tempos e que foi bem abordado nas tiras ilustrativas e textos elaborado brilhantemente escrito que rescrevo aqui neste espaço a seguir: “O resumo, segundo os especialistas e segundo a metáfora de Platão, o processo para a obtenção da consciência abrange dois domínios: o domínio das coisas sensíveis (eikasia e pístis) e o domínio das idéias (diánoia e nóesis). Para o filósofo, a realidade está no mundo das idéias e a maioria da humanidade vive na condição da ignorância, no mundo ilusório das coisas sensíveis, no grau da apreensão de imagens (eikasia), as quais são mutáveis, corruptíveis, não são funcionais e, por isso, não são objetos de conhecimento.
    Quase 2410 anos depois de ser escrita, ainda é atual, não é verdade? Que tal refletirmos?
    Para quem se interessar em ler na integra o texto, criei um arquivo “pdf” que pode ser baixado no seu computador:
    O Mito da caverna_Platao (Pdf)
    Conclusão do link: Sócrates − Agora, meu caro Glauco, é preciso aplicar, ponto por ponto, esta imagem ao que dissemos atrás e
    comparar o mundo que nos cerca com a vida da prisão na caverna, e a luz do fogo que a ilumina com a força
    do Sol. Quanto à subida à região superior e à contemplação dos seus objetos, se a considerares como a
    ascensão da alma para a mansão inteligível, não te enganarás quanto à minha idéia, visto que também tu
    desejas conhecê−la. Só Deus sabe se ela é verdadeira. Quanto a mim, a minha opinião é esta: no mundo
    inteligível, a idéia do bem é a última a ser apreendida, e com dificuldade, mas não se pode apreendê−la sem
    concluir que ela é a causa de tudo o que de reto e belo existe em todas as coisas; no mundo visível, ela
    engendrou a luz; no mundo inteligível, é ela que é soberana e dispensa a verdade e a inteligência; e é preciso
    vê−la para se comportar com sabedoria na vida particular e na vida pública.
    Glauco − Concordo com a tua opinião, até onde posso compreendê−la.
    (Platão, A República, v. II p. 105 a 109)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: